Acayu

O fruto do cajueiro é chamado pelos indígenas de Acayu, que significa “ano” pois eles contam a idade de cada safra, pensando nas formas do fruto e em como ele é valorizado na cultura cuiabana no centro-oeste do Brasil.

A Ohma cria a sua primeira linha, Acayu, inspirados nessa cultura pouco explorada porém tão rica e tão presente na vida e infância de dois integrantes do escritório, que são cuiabanos de “chapa-e-cruz” (como são chamadas popularmente as pessoas que nascem e são criadas em Cuiabá).

Por entre as ruas de Cuiabá o fruto é pintado, nas roupas bordado, o cajueiro presente na maioria dos quintais, o sabor presente na culinária cuiabana. O caju não é apenas um fruto, mas faz parte dessa cultura, faz parte das raízes da cidade e também da história da Ohma. Fabricado de forma artesanal pelos próprios integrantes da Ohma em parceria com o designer Bruno Camargo e com a marcenaria Oldine, as peças são revestidas com lâmina natural remetendo ao próprio caule do Cajueiro em tons amarelados e avermelhados remetendo as cores presentes no pedúnculo piriforme, as formas orgânicas são moldadas uma por uma fazendo com que cada peça seja única.
 
O branco está presente na estrutura do vaso e no contorno do espelho assim como o tom presente dentro da fruta. Os espelhos são em duas formas diferentes, uma inspirada no próprio fruto (castanha do caju) e outra no seu pedúnculo piriforme. Ambos podem ser fixados na parede em diversas formas, trazendo flexibilidade e adaptação ao projeto.