_DSC2627-2.jpg

Desde 2018, a OHMA idealiza e projeta objetos e espaços para transformar pessoas. 

 

Formada por Fabio Marx, Nicholas Oher e Paloma Bresolin, a OHMA transita entre design, arte e arquitetura para tornar tangível ideias, conceitos e sentimentos. 

 

Estrearam na CASACOR Paraná com a Livraria Canvas, usando como inspiração para o projeto desde a própria folha em branco do papel até um desfile de moda da Chanel.

 

Desde então já receberam dois prêmios: pelo uso das cores no Apartamento Oceano pela Casa Jardim; pelo design de interiores do Apartamento Câncer pela IAB-PR; e menção honrosa pela linha Casulo da Telhanorte, também pela IAB.

Além de terem lançado outras três linhas de produtos autorais – a Acayu, a YIV e a linha de espelhos Reflexos –, a OHMA desenvolve projetos de direção criativa e artística para marcas como a Suvinil, dsgnselo e mais recentemente em conjunto com a Impress Decor, lançando as Cores do Ano 2022.

 

Reconhecida pela contemporaneidade das suas criações, o objetivo da OHMA é ressaltar a personalidade e a individualidade das pessoas em projetos que não apenas atendam, mas superem suas necessidades.

_DSC2489.jpg
ohm08_letra_P.png
PALOMA BRESOLIN

Arquiteta e urbanista, formada pela PUC-PR, especializada em projetos de interiores e residenciais, com experiência em organizações de eventos no Chile.

 

Sua sensibilidade permeia todos os projetos da OHMA, trazendo leveza e poesia.

_DSC2453.jpg
OHMA design — Nicholas Oher
NICHOLAS OHER

Arquiteto e urbanista
pela UNIC, diretor de arte
e criativo com formação em iluminação artificial,
tecnologia da construção e arquitetura sustentável.

Perfeccionista, é capaz de deixar qualquer projeto sofisticado e conceitual.

_DSC2435.jpg
ohm08_letra_F.png
FABIO MARX

Designer de interiores, técnico em design gráfico, vencedor de 4 prêmios do projeto integrador da Unicuritiba e professor por dois anos na UFPR, e é orientador de monografias com temas de design thinking e influência das cores. 

 

Acredita num design simples e funcional e procura sobretudo a beleza no imperfeito.